segunda-feira, 28 de maio de 2012

Postagem de dia das Mães

Olha que beleza.... já está quase chegando o dia dos pais e eu ainda não postei o que escrevi sobre o dia das mães.... Mas aceitam a postagem ainda? Se sim, segue....


.:.

Este, posso dizer com todas as letras, que será o melhor Dia das Mães pra mim.
Mas Fer, o Dudu já tem 3 anos, será teu 4° dia das Mães, certo? Certo! Mas será o melhor mesmo assim.
Conto o porquê.
Não sou do tipo de pessoa que idolatra crianças. Acho fofinho, bonitinho e tals... mas nunca fui aquela pessoa que o sonho mor era o de ser mãe. Nunca soube brincar com os pequenos, nem era a pessoa mais cativante para eles... Eram as crianças lá e eu aqui, tímida e um pouco assustada. Se era criança do tipo sem limites, então... não queria nem muito contato. Até cheguei a me afastar de uma super amiga por conta de um filho totalmente sem limites. Até hoje dói esse afastamento. Ainda mantemos contato, mas esfriou... ela se afastou (pois o pequeno destruía sempre alguma coisa na minha casa), e eu me afastei (era criança fazendo arte o tempo todo e ela vendo tudo e não fazendo nada, isso era desconfortável demais, para ambas).
Então que me casei e a vontade apareceu, aí resolvemos ter um filho.
A maternidade muda SIM a pessoa. E instinto materno floresce, você passa a amar um serzinho que nem conhece ainda, e quando nasce, parece que você sempre foi mãe. AMO incondicionalmente meu Dudu, vocês já devem ter percebido, mas juro que continuo meio bicho do mato com os dos outros... Até minha afilhadinha-sobrinha não tenho muito jeito para lidar... parece que nunca tive filho na mesma idade e simplesmente não tenho jeito, não sei brincar ou interagir....meio estranho, coisa de se resolver com terapia mesmo... enfim....
Com o Dudu, nunca precisei da ajuda de ninguém (do Marido, claro), mesmo sem nunca ter dado banho em nenhuma criança na vida.... sempre tive segurança para cuidar, dar de comer e brincar... Sempre tive medo que o Marido fosse um Pai do tipo enfeite... que não ajuda em nada. Aí resolvi incluir sempre ele nas atividades e dividíamos as tarefas com o Dudu sempre. Banho, sempre foi ele quem deu. Isso, claro, estreitou e muito o contato e o laço dos dois.
Também sempre fui muito dura... cheia de regras e ‘nãos’. Não pegar no colo (eu dava mamá e colocava novamente no berço, sofá ou afins), não mimar, não dormir na cama conosco, não isso ou aquilo... e limites... muitos!
O resultado? Dudu nunca foi grude comigo. Sempre invejei as amigas dizendo que não podiam ir ao banheiro...O Pai sempre foi o preferido em tudo. Se estávamos em um lugar, e ele pedia colo, o meu não servia. Se tinha pesadelo à noite, era o Pai que ele chamava...E eu, sempre me sentia uma mãe de merda. Sempre achei que nunca sentiria o retorno do amor que eu tinha por ele, vindo dele...
Frustrante, e triste, né? Foi difícil, muito difícil!!!
Claro que tinha (tem) o lado positivo... O Marido foi um Pai fantástico desde o primeiro dia... Divide muito bem as tarefas comigo, e deixo ele com o Dudu sempre quando eu preciso sem a menor preocupação, e o Dudu fica numa boa. Saio com minhas amigas, o Marido já viajou com ele sem mim, enfim... tenho liberdade, que minhas amigas (as invejadas), não têm.
Marido sempre conversou muito comigo a respeito... Onde ele achava que eu poderia mudar, e fui fazendo o possível...
Outra coisa que mudou nesse ano, com a mudança da escola, sou eu quem leva e busca (antes era a Avó)... Também encho de carinhos, brinco mais (não que antes eu não brincasse, mas antes eram brincadeiras mais pedagógicas, mais para ensinar algo. Agora é mais bagunça, coisa de menino mesmo). Converso bastante com ele, e os ‘nãos’ são para algo realmente errado.
Resultado: hoje já sinto o amor dele por mim. Não que antes ele não me amasse e tal, mas já sinto ele mais próximo, e preferindo ficar comigo a ficar com o Pai. Chamando por mim quando está com o Pai. Coisas bobas e pequenas, mas que pra mim possuem um significado muito grande. O Marido mesmo esses dias ficou de bico pois o Dudu disse que ia assistir desenho comigo, e o Pai iria ficar na cozinha.... Marido ficou todo sentido. Eu fiquei mega feliz!
Antes, eu queria muito ter um segundo filho para tentar fazer diferente e suprir minha carência de um amor que eu não havia tido retribuição.
Hoje eu continuo com a mesma ideia, sabendo que se sentir amada por um filho é uma benção sem tamanho, e eu mereço ser amada por dois....
Então, mamães de primeira viagem: queimem livros, exorcizem Encantadoras de Bebês, e sigam o seu coração.
Colo não vicia, aproxima. Dormir na mesma cama é troca de carinho. Dividir com o Papai é bom e saudável, mas não deixe ele virar Mãe, DIVIDA.... Ter regras é importante, mas regras que somem, e não que separem. Rotina é imprescindível, mas a bagunça é boa demais!
Vou fazer muita coisa, com o próximo filho, igual ao que fiz com o Dudu sim, pois não há quem não elogie a educação, a esperteza e o quão carinhoso ele é... Por outro lado, vou errar para acertar outras coisas.
Há formula perfeita? Não mesmo. Filhos não são receita de bolo. São seres humanos. E definitivamente não há certo ou errado.
E nós mães, independente da maneira que criamos nossos filhos, com muitos limites ou totalmente sem, o fazemos pois acreditamos ser o melhor para eles... então não julgue... Só estamos sendo mães.
Por isso tudo, e por agora estar me sentindo mais mãe que nunca, é que pra mim, esse é o melhor Dia Das Mães que já tive....
Desejo à você que já é mamãe ou que será em breve, um dia das mães iluminado e cheio de amor de Mãe e de Filho.
Beijão,
Da Mamãe,
Fer

5 comentários:

Van disse...

Huahuahua... só vc, Fer!
Mas realmente é divino ser mãe! Ainda não sou, mas quero sim ser... e muito! Mas confesso que, antes de começar a namorar, meu lema era: "não casar, não ter filhos... queria ter cachorros!" huahuahua
Abafa! Agora me vejo casada, feliz da vida e louca pra ter filhos... se vier gêmeos, melhor ainda! kkkk
É a vida, né!
Quem sabe até final do ano não estarei mamãe! rs

Bjusssssss flor!

Julay Ferrer disse...

Fer, que post lindo! Vc se abriu muito ao escrevê-lo, que coragem. Parabéns.

Beijocas

Janinha disse...

Que lindo post! Ai Fer, o que vou falar pode parecer até uma heresia, mas pra mim que me sinto uma verdadeira mãe de cachorro, e assim mãe, vou dizer: eu errei e fiz tudo isso com ele. E ele no fim, que era "meu" é mais do meu esposo, pq "ama" mais ele. Engraçado, mas tudo que imaginava de regras´super rigidas que teria com os filhos desapareceram... espero saber dar limites, o que pode e o que não pode, mas controlar esse meu lado do não (que eu digo muito mesmo) e das neuras (que eu tinha em excesso). Sei que vou errar, é inevitável, mas espero não sentir essa inveja do esposo por ele ser o nº1 absoluto. Cada um com sua parcela, né?! hehehe
Vc é uma mulher sábia: sou retomar a situação e fazer melhor, sem deixar a frustração tomar conta. Adorei!!!
Bom, voltei de viagem e da preguiça de postar, e tõ com todo gás! Bjocas!!!

Família Buscapé disse...

Ola! Cade a sumidinha hein! Aparece! Bjaum

Bianca Bonato disse...

Oi Fer, você me emocionou muito com seu post, me segurei para não chorar.

Eu tenho um menino o Pietro, com 3 aninhos também, nasceu em 28 de janeiro, deve ter quase a mesma idade do Dudu. Me identifico muito quando você escreve dele.
Antes de ter filho eu também pensava que seria super durona, que seria a melhor educadora do mundo..rsrsrs. Mas quando eles chegam em nossas vidas, mudam completamente nossa maneira de pensar e agir.
Sou sim durona, mais que o marido aliás, imponho regras, dou alguns tapinhas quando necessita, grito como toda mãe, mas ele consegue me dobrar as vezes como toda mãe que ama seu filho e não gosta de vê-lo sofrer.
Só que eu sempre quis ser mãe, desde que meu filho nasceu, quem deu banho e cuidou fui eu, não deixava minha mãe ajudar, só meu marido, porque nós moravámos em outra cidade e tínhamos que nos virar.
Sempre pensei como você, queria um pai presente para meu filho. E tenho, meu marido é marilhoso, ajuda dar banho, comida, brinca, fico completamente tranquila quando saio.
Meu filho é esperto, inteligente, não é tão obediente como eu queria, tenho que falar umas 3 vezes para ele atender, mas também não é aquelas crianças terríveis que ninguém gosta.
Acho que estou fazendo um bom trabalho, porque todas as pessoas ao nosso redor amam o Pietro.
O melhor de tudo, posso perguntar 1000 vezes:
De quem você gosta mais filho, da mamãe ou do papai?
Toda vez ele responde:
Dos dois ♥
Olha que coisa mais fofa, eu sempre amei mais minha mãe, não tem nem comparação pelo que sinto pelo meu pai. Acho que isso quer dizer que meu marido tá sendo um ótimo pai né?

Beijos querida e continue assim, aducando mas mantendo um vínculo de amor com seu filho. Isso é a coisa mais importante na vida de uma criança, o amor dos pais.

Obs: Você está muito sumida, estou sentindo falta dos seus posts e dos comentários.

Bjão.